domingo, 10 de junho de 2007

Made in Chingling




Imitação, cópia, pirataria, não importa o nome que se dê, as grifes não têm vez mesmo na China. Já as suas cópias, estão por toda parte. Tem até shopping especializado em vender imitações – é o Yashow, em Pequim, divulgado até em folder de hotel 5 estrelas. São quatro andares de roupas, bolsas, sapatos e outros acessórios de todas as grifes famosas.
A prática é tão comum que os próprios guias de turismo chineses contam existir até classificações para as imitações. A categoria Premium é chamada de "contrabando" e inclui os produtos feitos com a mesma matéria-prima dos originais – sabe-se lá como é que conseguiram essa matéria-prima. Resumindo: se os estilistas Domenico Dolce e Stefano Gabbana vissem os artigos chineses que levam a etiqueta D&G, seriam capazes de pensar ter saído de sua linha de produção. Será que não saíram?
Há ainda as imitações categorias A, B e C. As primeiras, embora de matéria-prima não original, têm bom acabamento. "B" está na intermediária e "C" você pode imaginar o que significa.
É tão comum o turista chegar à China em busca das tais imitações que até em casa de show tem lojinha que vende produto copiado. Nas ruas, nas proximidades de hotéis e atrações turísticas, tem sempre alguém oferecendo relógios, carteiras e outros artigos. Vendem na rua mesmo ou acabam levando o cliente para ver as peças dentro de casa. Quando a coisa é escancarada, pelo menos você sabe o que está comprando, pior é pagar muito e descobrir que a etiqueta que você pensava ser original, na verdade foi colada em cima de uma marca chinesa.
Em São Paulo, na região da 25 de Março, pode-se encontrar muitas dessas mercadorias citadas acima – principalmente das categorias B e C – e que são disputadas intensamente pelos compradores, ávidos para encontrarem "aquela camisa" ou "aquele tênis" que custam uma fortuna nas lojas, mas por lá saem por uma bagatela. Antes de criticar essa prática, tente vê-la como um trabalho social, pois, permite as pessoas mais pobres, um acesso as melhores grifes que o dinheiro (que não possuem em grande quantidade) pode comprar.
Para se ter uma idéia do disparate de preços, uma camisa de malha da marca PUMA, que nas lojas custa em torno de R$ 150,00 lá sai por R$ 15,00. É uma imitação muitas vezes tosca, mas que para a pessoa que vai usar, surte o mesmo efeito de uma original.





Nenhum comentário: